CE 22

Olá a todos!

Hoje vou falar do carro que ilustra na atualidade como teria sido a inauguração da 1ª linha de carro elétrico.

Sabiam que este ano se comemora os 125 anos deste feito para a cidade do Porto?

É verdade.

Muitos já conhecem a história, mas nunca é demais partilhar.

A 12 de setembro de 1895 é inaugurada a primeira linha de tracção eléctrica entre Massarelos e o Carmo.

A celebração deste evento no Porto deve-se em grande parte ao espírito empreendedor do gerente da Companhia Carris de Ferro do Porto, José Ribeiro Vieira de Castro, quando a 17 de janeiro de 1894 dirige à Câmara Municipal do Porto um requerimento pedindo licença para um ensaio que consistia em “ substituir, na tracção dos seus carros, a força animal pela eléctrica, nas linhas Marginal e da Restauração, desde a Rua do Infante D. Henrique até ao extremo do concelho e desde o Passeio da Graça (Cordoaria) até Massarelos.”

A electrificação efectiva das linhas começou depois de obtido, a 8 de novembro de 1894, o alvará da Direcção Geral dos Telégrafos, autorizando uma instalação, a título experimental, na Rua da Restauração.

Inaugurada assim, a 12 de setembro de 1895 a primeira linha de carros eléctricos poucos anos foram necessários para que a rede de tracção eléctrica se expandisse a toda a cidade e arredores.

Primeiro de Janeiro 07-09-1895

“Tracção eléctrica – É hoje, às 10 da manhã, que se realisam as experiencias officiaes da tracção eléctrica aplicada aos carros da companhia carris de ferro do Porto, na linha marginal.

A câmara convidou a assistirem a essas provas, para depois emittirem parecer, os ingenheiros srs. Conselheiros Araujo e Silva e Justino Teixeira, Julio da Costa Portella e João Carlos Machado.

Na cordoaria tem-se juntado muito povo para ver as experiencias n’estes últimos dias.”

Jornal de Noticias – 08-09-1895

“Companhia Carris de Ferro do Porto – Locomoção eléctrica

Fez-se hontem a annunciada experiencia official do novo carro pertencente áquella companhia, movido por meio de tracção eléctrica, experiencia que, como a que se fez há dias, deu o mais satisfatorio resultado.

As pessoas que para aquelle acto tiveram convite, começaram de reunir-se, depois das 10 horas da manhã, estação da Arrabida, comparecendo também a commissão technica, que se compunha dos engenehiros srs. Mattos Cid, Costa Portella, Ferreira d’Araujo e João Carlos Machado, e ainda o engenheiro  sr. Gualberto Povoas.

O carro tem o peso de 6.400 Kilos e fez a primeira viagem, da Arrabida à Cordoaria – 1800 metros de percurso – em 8 minutos (…)

Em seguida realizou-se uma visita à casa das machinas, na estação da Arrabida, e que é uma ampla dependência onde há uma soverba meza de distribuição, um voltímetro, que se destina a medir a tensão, amperemetros, que servem para medir a intensidade da corrente e ainda outros importantes apparelhos sendo deveras admiráveis a machina e a bovina principal que tem a força de 1500 cavallos. (…)

Na próxima quarta-feira começa a exploração da linha da Cordoaria à Arrabida.

Terminada que foi a visita às installações da estação, serviu-se um lunch aos convidados, sendo phreneticamente brindado, ao champagne, o digno gerente da companhia, sr. José Ribeiro de Vieira de Castro, pelo zello e intelligencia com que este cavalheiro se tem desempenhado da missão que lhe foi confiada, ao que se deve o desenvolvimento e prosperidade d’aquella Companhia.”

O Commércio do Porto 12-09-1895

“Carros americanos a tracção eléctrica – A commissão executiva da camara municipal d’esta cidade, na sua sessão de hontem, tomou conhecimento do relatório da comissão official sobre a tracção eléctrica dos carros americanos na rua da restauração e em parte da linha marginal, resolvendo conceder licença desde já à Companhia Carris de Ferro do Porto para os carros fazerem o serviço de transportes de passageiros.

Este serviço começa hoje, ás 6 horas da manhã, segundo resolução da gerência da Companhia.” 

O Commércio do Porto 08-09-1895

“ … compareceram na Estação da Arrabida onde examinaram detidamente o material fixo, cuja instalação lhes mereceu todo o elogio e causou agradavel impressão. (…) É digno de ser visitado aquelle magnifico estabelecimento pela perfeição de apparelhos e óptimo machinismo. (…) Alli se graduam correntes, observam interrupções, se desviam electricidades e se executam diversas manobras que põem a salvo o movimento dos trens.”

O Commércio do Porto 13-09-1895

“Carros americanos a tracção eléctrica – Principiou hontem, effectivamente, o serviço de transporte de passageiros nos carros americanos a tracção eléctrica, entre a Cordoaria e a Arrabida.

Andaram em serviço os vehiculos nºs 2 e 3, havendo carros de 15 em 15 minutos. Foi grande a afluência de passageiros. Nos lugares onde havia paragens juntou-se muita gente durante o dia a ver os carros.

Estiveram hontem superintendendo no serviço os snrs. José Ribeiro Vieira de castro, gerente, e Celestino Candido do Cruzeiro Seixas, inspector da Companhia Carris de Ferro.”

Aqui fica o nosso acarinhado CE22, um dos mais ilustres da coleção do Museu!

Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s